quarta-feira, maio 13, 2015

Oração e Adoração - 11.


Somos peregrinos na terra.
É através da oração que invocamos o nome do Senhor para sermos salvos. É por meio da oração que o amor entre Deus e nós é restabelecido. É pela oração que mantemos viva a nossa comunhão com Deus. O amor deve ser compartilhado e quando deixamos de compartilhar o nosso amor com Deus, o nosso relacionamento com Ele morre. Mas através da oração e da adoração a nossa fé e o nosso amor permanecem fortes.
As nossas orações e a nossa adoração serão aceitos por Deus se as nossas riquezas e o nosso lar estiverem no céu. A crença numa vida no céu, depois da primeira morte, ou seja, a crença na Salvação eterna, é um dos fatores que tornam o cristão diferente das outras pessoas do mundo. Fé no que não se vê e esperança no futuro, quando Jesus virá resgatar os seus escolhidos, distingue o crente do descrente. Separa o homem que ora do que não ora.
As riquezas e o lar do crente salvo, estão no céu. O cristão é separado, é diferente dos outros do mundo.
Portanto, não olhamos para aquilo que podemos ver atualmente, as dificuldades que nos rodeiam, mas olhamos para a frente, para as alegrias do céu que ainda não vimos. As alegrias futuras durarão eternamente.” (2 Co 4.18 – Bíblia viva).
Continua no próximo post.
Viva Jesus!
Deus lhe abençoe!


sábado, dezembro 20, 2014

 
Oração e Adoração – 09.
Continuação do post anterior.
Perdoa as nossas dívidas.
E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores” (Mateus 6.12).

Essa é uma lição importante. Estabelecemos as condições para o nosso próprio perdão! Podemos perder o perdão de Deus se recusarmos perdoar os outros? Sim, podemos perder! Não será Deus amoroso e bondoso para perdoar mesmo se nós formos infiéis? A resposta é: Não, se estas palavras escritas na Bíblia são verdade. E ela são verdadeiras!
Podemos orar com um espírito não perdoador e esperar que Deus responda? Podemos adorar realmente a Deus, e ao mesmo tempo odiar o nosso irmão? Qualquer pessoa ama os seus amigos e a maioria consegue perdoar aqueles a quem ama. Mas o perdão mencionado por Jesus em Mateus 6.14,15 é em relação àqueles que nos ofenderam. Isso inclui os inimigos e os que se recusam a dizer: “Desculpe”, para nós e também se negam a pedir perdão a Deus.
Note também que Jesus não disse: “Perdoa-nos quando pedirmos perdão aqueles a quem ofendemos.” Não, é da outra maneira. Temos de perdoar aos que nos ofenderam.
Como cristãos devemos ir àqueles a quem ofendemos e pedir-lhes que nos perdoem. Mas, o perdão de Deus para nós não está baseado em pedirmos desculpas aos outros, quer eles nos desculpem ou não. Temos de pedir a Deus que nos perdôe. Talvez, aqueles que nos ofenderam, tenham se recusado a pedir perdão tanto a nós como a Deus. Isso não nos importa, façamos o que temos de fazer. Temos que lhes perdoar se queremos que Deus nos perdoe!
É muito fácil perdoar a quem pede desculpas. Mas é muito difícil dar o perdão a quem não se arrepende. De fato, sozinho não conseguiremos. O espírito humano não é perdoador. É por isso que dizemos que o perdão para aqueles que nos ofenderam só vem quando buscamos o Reino de Deus acima de tudo. Então, e só então, conseguimos perdoar os que nos ofenderam. É uma das coisas “acrescentadas” àqueles que colocam o Reino de Deus em primeiro lugar.
É um mandamento de Jesus: Perdoa àqueles que lhes têm ofendido, se quiseres que Deus lhe perdoe os seus pecados. Se, do íntimo, não perdoardes o seu irmão, o Pai celeste poderá retirar o perdão que já lhe tenha concedido. (Cf Mateus 18.35).

Viva Jesus!

Deus lhe abençoe!

sábado, setembro 13, 2014

Oração e Adoração - 08.

Continuação do post anterior.
O pão nosso de cada dia.
"Dá-nos." Isso agora já parece mais com as orações que geralmente fazemos. Dá-me comida! Dá-me uma casa! Dá-me um emprego! Dá-me dinheiro! Dá-me poder! Dá-me vitória! Dá-me mais unção! Dá-me mais graça! Dá-me, dá-me, dá-me! Essa é a única oração que muitas pessoas sabem fazer. Aliás, nunca oram até precisarem de alguma coisa, e então, a única coisa que dizem é: "Dá-me!"
Essas pessoas pensam que Deus só serve para lhes dar o que querem. Veem Deus como um armazém ou celeiro onde se guardam os suprimentos. Só se dirigem a Ele quando precisam de algo.
Deus prometeu suprir todas as nossas necessidades; veja em Filipenses 4.19: “E o meu Deus, de acordo com as gloriosas riquezas que Ele tem para oferecer por meio de Cristo Jesus, lhes dará tudo o que vocês precisam” - NTLH. Ele tem comida suficiente para todos. Mas Deus quer que O busquemos porque O amamos e não porque queremos que Ele nos dê algo. Deus se preocupa com as nossas necessidades. Quando oramos Ele ouve. "E esta é a confiança que temos para com Ele: que, se pedirmos alguma coisa segundo a Sua vontade, Ele nos ouve" (1 João 5.14). Não é errado querermos "coisas". O que é errado é continuarmos a querer, quando sabemos que não é a vontade de Deus que as tenhamos.
Deus quer algo que só nós podemos dar-Lhe. Ele quer o nosso amor e a nossa adoração. Ele quer a nossa obediência e trabalho na sua “vinha”. Ele se agrada e recompensa os que o buscam com fé, isto é, acreditando que Ele existe; veja em Hebreus 11.6: “Sem fé ninguém pode agradar a Deus, porque quem vai a Ele precisa crer que Ele existe e que recompensa os que procuram conhecê-lO melhor”. Pedir coisas é apenas uma pequena parte da oração. Louvor, adoração e agradecimento devem vir sempre em primeiro lugar. O Seu nome, o Seu reino e a Sua vontade devem ter a prioridade. Foi assim que Jesus nos ensinou.
Continua no próximo post.
Viva Jesus!
Deus lhe abençoe!

quarta-feira, julho 30, 2014

Oração e adoração - 07


Continuação do post anterior.
“… negue-se a si mesmo e tome a sua cruz… “
Não é fácil viver em paz com os homens. Cada um é diferente do outro. As tribos são diferentes. As nações são diferentes. As raças são diferentes. As culturas são diferentes. O mundo é feito de muitas classes de pessoas – os néscios e os sábios, os ricos e os pobres,etc. Repetimos, viver em paz com todos os homens não é fácil.
Os dirigentes mundiais e políticos estão constantemente lidando com esse problema, mas fazem muito pouco progresso. O homem levanta-se contra o homem, a mulher contra o marido, os filhos contra os pais, nação contra nação. Onde está a resposta para a paz? A resposta está em deixar que Jesus nos ajude a carregar a nossa cruz.
Jesus disse: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz ... “ (Mateus 16.24). A cruz do homem, portanto, é a auto negação. A auto negação é impossível para o homem que vive para si mesmo. A cruz do homem é difícil de carregar porque exige que desistamos da nossa vontade para podermos viver em paz com os outros. É por isso que os esforços que as nações fazem para a paz não têm resultados. É por isso que o mundo está cheio de ódio, guerra e violência.
O homem egoísta não desiste da sua vontade. Quer que ela prevaleça sempre. Como o mundo está cheio de homens egoístas, que colocam o “eu, a tribo, a raça, a nação” como o centro de sua vida, é certo que haverá uma luta de vontades. Acontecerão problemas e haverá conflitos e guerras. Por causa de sua falta de vontade em negar a si mesmo, são feitas as leis para que eles respeitem os outros. Ele obedece à lei mas é infeliz e fica zangado porque é egoísta; ou descumpre a lei e é punido.
A condição para a paz, tal como Jesus ensinou, é tirar o “eu” , a família, a tribo, a nação ou a raça do centro da nossa vida e lá colocar Cristo e o Seu Reino (Mateus 6.33). Os filhos de Deus devem buscar e honrar a vontade de Deus, carregando a sua cruz da auto negação e seguindo a Jesus. Essa é uma cruz que todos os homens devem carregar. Não se pode escapar à necessidade de negar a si mesmo, para poder viver neste mundo em Paz com os outros.
Continua no próximo post.
Viva Jesus!
Deus lhe abençoe!

quarta-feira, junho 18, 2014

Oração e Adoração - 06.


Continuação do post anterior.
Honrando o nosso Rei.
Deus não é somente o nosso Pai. Ele é o nosso Rei. Ele tem um reino. E os crentes de verdade são, também, cidadãos do reino de Deus. Em Marcos 11.1-11 lemos sobre a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém e como o povo o recebeu como Rei. Muitos estendiam as suas vestes no caminho, e outros, ramos que haviam cortado dos campos. E clamavam: bendito o reino que vem, o reino de Davi, nosso pai! Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor!
Ele veio como Rei porém de forma diferente da expectativa do povo judeu, que esperava um rei para livrá-los da dominação dos romanos e para constituir uma nação independente e forte. Hoje sabemos que o Seu reino não é desse mundo! Como filhos, nós O chamamos de Pai. Como cidadãos, de Rei. Como filhos nós lhe agradecemos o Seu amor e o Seu cuidado. Como cidadãos, nós O obedecemos e O adoramos.
Portanto Deus é Pai e Rei, e nós somos filhos e cidadãos. A pior coisa que um cidadão pode fazer é faltar com o respeito e a obediência devidos ao seu rei. A melhor coisa que pode fazer é adorá-lO e honrá-lO. Amor e honra podem ser expressos através da obediência e do serviço, mas isso só não é o bastante.
Não somos meros servos. Somos filhos e cidadãos. O nosso Pai e Rei quer mais de nós do que obediência e serviço. Ele quer falar e ter comunhão conosco. É por isso que os tempos de adoração são tão importantes. Não podemos adorar a Deus sem honrá-lO e amá-lO.
Deus quer uma adoração pessoal e cheia de louvor. Ele deseja que Lhe digamos que O amamos. Ele quer adoração que O honre como Rei.
Algumas pessoas adoram imagens sem vida; outras, alguns antepassados mortos; e outros ainda, a natureza. Mas nenhuma dessas coisas é amorosa e pessoal, não pode mostrar amor nem responder às orações.
E nós, os cristãos? O objeto da nossa adoração está vivo, Ele é amoroso e Se revela a nós, quando chegamos à Sua presença com cânticos e louvor. O objeto da nossa adoração é o único Deus verdadeiro! Não é somente mais um deus, Ele é o único Deus! Além dEle não há outro.
Continua no próximo post
        Viva Jesus!
Deus lhe abençoe!

sexta-feira, maio 02, 2014

Oração e Adoração - 05.

Continuação do post anterior.

O céu não é uma fantasia.

A nossa oração e a nossa esperança não significarão nada, se o céu for apenas um sonho ou uma ideia da nossa mente. O céu é um lugar real. Deus, o nosso Pai, está lá.
Paulo disse que foi levado ao terceiro céu onde Deus está (2 Co 12.2). Paulo disse que ouviu ali coisas “as quais não é lícito ao homem referir” (2 Co 12.4). O Apóstolo não tinha dúvidas acerca da realidade do céu. Ele o tinha visto. Não admira portanto que ele tenha dito que preferia estar com Cristo do que ficar na Terra!
O Espírito Santo torna a verdade do céu muito real para os novos convertidos. Os cristãos primitivos viviam com o céu na mente. O livro do Apocalipse revela coisas que acontecerão no céu, no fim dos tempos. Fala, especialmente, da glória do Rei dos reis, cujo trono está no céu
Louvado seja Deus! Quando o céu se torna real para o crente, a adoração e o louvor são o fruto da sua fé.
Continua no próximo post.

Viva Jesus!

Deus lhe abençoe!

quarta-feira, abril 09, 2014

Oração e adoração - 04.

Continuação do post anterior.
A nossa segurança em Jesus.
Qual é a pior coisa que pode acontecer a uma pessoa? Alguns dirão que é morrer; outros, ficar cego ou aleijado; outros dirão que ficar pobre é pior do que morrer. Mas o que diz Deus? Ele diz: “Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei, antes, aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo” (Mateus 10.18).
Pois que aproveitará o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?” (Mateus 16.26).
Não escolheu Deus os que para o mundo são pobres, para serem ricos em fé e herdeiros do reino que Ele prometeu aos que O amam?” (Tiago 2.5).
Conheço a tua tribulação, a tua pobreza (mas tu és rico) ...” (Apocalipse 2.9).
O que Deus quer dizer é que existe algo pior do que a morte do corpo. Existe algo mais valioso do que as riquezas do mundo. Para podermos orar como convém, é importante sabermos que coisas tem valor verdadeiro e duradouro.
Lembra-se de quando disseram a Paulo que se ele fosse a Jerusalém seria morto? Ele respondeu: “Que fazeis chorando e quebrantando-me o coração? Pois estou pronto não só para ser preso, mas até para morrer em Jerusalém pelo nome do Senhor Jesus” (Atos 21.13). O que Paulo estava dizendo era: “O que tem importância é o que acontece ao nome de Jesus, não a mim!”
O segredo da segurança da alma é ter a vida eterna, ou seja, ter a salvação. “E a vida eterna é esta: que Te conheçam a Ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste” (João 17.3). Quando conhecemos a Deus e recebemos a Jesus Cristo, temos a vida eterna, e estamos sempre seguros. Quando voltamos as costas a Deus e recusamos conhecê-Lo, perdemos a segurança que Ele nos prometeu.
A pior coisa que pode acontecer a um cristão é separar-se de Deus. Se a doença nos aproximar de Deus, ela não é maligna. Se a pobreza nos fizer confiar mais em Deus, não é má. Se um acidente nos despertar para a maneira irresponsável que vivemos, não é demoníaco. O mal de que precisamos nos libertar é aquele que pode nos separar de Deus. Se o prazer nos separa do Senhor então é maligno. Se as riquezas nos afastam de Deus, então são más. Se a boa saúde nos faz esquecer de Deus, então torna-se demoníaca para nós!
Paulo era um homem com muitos problemas. Sofreu naufrágios, foi chicoteado e apedrejado várias vezes. No entanto, ele nunca procurou livrar-se dessas coisas. Aceitou-as como parte de sua vida para Cristo. Paulo conhecia o segredo da segurança da alma! Ele tinha a vida eterna que nenhum homem podia tirar! Ele só procurava “conhecer a Cristo, e o poder da Sua ressurreição e a comunhão dos Seus sofrimentos” (Filipenses 3.10). Conhecendo a Jesus, Paulo estava seguro.
Aqueles que sabem que a oração traz segurança, são os que aprenderam a buscar o Reino de Deus acima de tudo. Eles sobreviverão aos dardos envenenados do maligno, e, perante o trono de Deus, serão chamados vencedores!
Continua no próximo post.
Viva Jesus!
Deus lhe abençoe!